Fundação de Ação Social de Curitiba

Skip Navigation Links

História de superação marca dia 8 de março na Casa das Mulheres e LBT

  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 01
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 02
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 03
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 04
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 05
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 06
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 07
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 08
  • Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 09
Publicado em 09/03/2018 Imagem: Ricardo Marajó/FAS imagem conteudo

Comemoração ao Dia da mulher, na Casa de Passagem para Mulheres e LBT 01

As homenagens no Dia Internacional da Mulher (8/3) na Casa de Passagem das Mulheres e LBT, localizada no Rebouças, foram feitas através de um dia de beleza (penteado, maquiagem e manicure), bazar e, para finalizar, um lanche de confraternização. A Casa acolhe 10 mulheres e tem 30 vagas para pernoite. No dia 8 de março, todas estavam presentes para as comemorações.

Porém, não foi apenas isso que marcou o dia delas, Jeanette Patricia Gubert, 49 anos, é ex-moradora da Casa e contou para as homenageadas toda sua história de superação como uma forma de incentivo. Jeanette entrou na inauguração da Casa de Passagem das Mulheres e LBT (em 2015) e saiu em 2017. “Antes de vir para cá, eu morava na rua, fui violentada, dependente química, alcoólatra e catadora de papelão, se não fosse pelo acolhimento e pela minha força de vontade provavelmente estaria até hoje na rua. Hoje eu tenho um emprego e minha casa, que paguei com o meu próprio salário e com minha força de vontade de vencer na vida”, relatou.

Depois de dois anos na Casa de Passagem, Jeanette agora trabalha como zeladora no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) CIC durante a semana e, nos finais de semana, na parte da limpeza no Hospital do Trabalhador. “Eu dependi da FAS para reerguer minhas forças e acreditar que eu podia voltar a ter a minha vida de antes de parar nas ruas. Hoje eu tenho o orgulho de dizer: eu trabalho na Fundação”, contou, emocionada, para as mulheres que estavam presentes.

Janete Pereira Cunha, assistente social da FAS, acompanhou todo o processo de superação da Jeanette e disse que a história dela foi desafiadora “Ela conquistou autonomia e independência pelo seu esforço pessoal, pelo trabalho desenvolvido na Casa de Passagem, mas, principalmente, pelo acolhimento que ela recebeu de toda a equipe do Creas CIC”, afirmou a assistente social.

Ao final da fala, Jeanette agradeceu toda a equipe da FAS, a família e todas as pessoas que auxiliaram na sua recuperação. E afirmou que até o final deste ano pretende prestar um concurso e tornar-se servidora pública. “Sonhem como eu estou sonhando, se eu consegui vocês também conseguem!”, disse a ex-moradora da Casa a fim de estimular as mulheres que passam pela mesma situação.

Fundação de Ação Social

Rua Eduardo Sprada, 4520|3350-3500|CEP 81270010|Curitiba - PR|Todos os direitos reservados|Política de Privacidade

Desenvolvido por ICI - Instituto das Cidades Inteligentes